0 Aponwao e o Caminhão - Blog do Rodrigo - 1000 dias

Aponwao e o Caminhão - Blog do Rodrigo - 1000 dias

A viagem
  • Traduzir em português
  • Translate into English (automatic)
  • Traducir al español (automático)
  • Tradurre in italiano (automatico)
  • Traduire en français (automatique)
  • Übersetzen ins Deutsche (automatisch)
  • Hon'yaku ni nihongo (jidö)

lugares

tags

Arquitetura Bichos cachoeira Caverna cidade Estrada história Lago Mergulho Montanha Parque Patagônia Praia trilha vulcão

paises

Alaska Anguila Antártida Antígua E Barbuda Argentina Aruba Bahamas Barbados Belize Bermuda Bolívia Bonaire Brasil Canadá Chile Colômbia Costa Rica Cuba Curaçao Dominica El Salvador Equador Estados Unidos Falkland Galápagos Geórgia Do Sul Granada Groelândia Guadalupe Guatemala Guiana Guiana Francesa Haiti Hawaii Honduras Ilha De Pascoa Ilhas Caiman Ilhas Virgens Americanas Ilhas Virgens Britânicas Islândia Jamaica Martinica México Montserrat Nicarágua Panamá Paraguai Peru Porto Rico República Dominicana Saba Saint Barth Saint Kitts E Neves Saint Martin San Eustatius Santa Lúcia São Vicente E Granadinas Sint Maarten Suriname Trinidad e Tobago Turks e Caicos Uruguai Venezuela

arquivo

SHUFFLE Há 1 ano: Rio De Janeiro Há 2 anos: Rio De Janeiro

Aponwao e o Caminhão

Venezuela, Gran Sabana

O Salto Aponwao, o maior da Gran Sabana, na Venezuela

O Salto Aponwao, o maior da Gran Sabana, na Venezuela


Há apenas uma rodovia na Gran Sabana. São cerca de 700 quilômetros de uma estrada em muito boas condições ligando Ciudad Guyana à Santa Elena, já bem próxima da fronteira com o Brasil. Aliás, essa é a única rodovia do país em que os policiais já estão acostumados com motoristas brasileiros, já que esse é o caminho mais perto para a praia para quem mora em Roraima e Manaus, frequentadores assíduos de Isla Magarita. Até tínhamos sido avisados sobre a chance de sermos parados e extorquidos por algum motivo qualquer, mas não tivemos problema nenhum. E nem vimos tanta polícia assim, talvez por ter viajado em um fim de semana.

Placa informativa de estrada secundária na Gran Sabana, na Venezuela

Placa informativa de estrada secundária na Gran Sabana, na Venezuela


A Fiona nos leva através da Gran Sabana, na Venezuela

A Fiona nos leva através da Gran Sabana, na Venezuela


Depois que deixamos El Dorado para trás e entramos na Gran Sabana propriamente dita, quase não há mais movimento na estrada. Ficamos só nós e aquela vastidão magnífica ao nosso redor. Para quem quer sair dessa estrada asfaltada, há apenas uma saída, uma estrada de terra de 70 quilômetros até um local chamado Kavanayen. Aì existiu uma missão religiosa, em um local privilegiado no meio de vários tepuis. As construções de pedra ainda estão lá, assim como a aldeia indígena. Na metade dessa estrada de terra, há uma bifurcação que leva ao Salto Aponwao, o maior da Gran Sabana. Nosso plano original era conhecer esses dois lugares e ver de perto uma região bem menos conhecida da Gran Sabana. Afinal, até lá, só carros tracionados, principalmente na época das chuvas.

A Fiona nos leva através da Gran Sabana, na Venezuela

A Fiona nos leva através da Gran Sabana, na Venezuela


A Fiona nos leva através da Gran Sabana, na Venezuela

A Fiona nos leva através da Gran Sabana, na Venezuela


Só que, com a dificuldade em abastecer o carro, ficou bem apertado conseguir fazer tudo. Quando chegamos ao início dessa estrada, nos falaram que haveria um posto mais para o sul, na rodovia principal. Resolvemos tentar e dirigimos 25 km até lá. O posto realmente existia, mas nada de diesel. Voltamos os 25 km até a estrada de terra e, com 50 km a menos de combustível no tanque, agora era certo que não poderíamos ir até a antiga missão.

Pronto para ir conhecer o Salto Aponwao, na Gran Sabana, na Venezuela

Pronto para ir conhecer o Salto Aponwao, na Gran Sabana, na Venezuela


O Luis, nosso guia na região do Salto Aponwao, na Gran Sabana, na Venezuela

O Luis, nosso guia na região do Salto Aponwao, na Gran Sabana, na Venezuela


Mas até o Aponwao, esse dava para arriscar. Estrada de terra em situação razoável até a bifurcação. A partir daí, muita areia e água, mas nada que parasse a Fiona. Chegamos na aldeia no final da estrada já no meio da tarde e logo ficamos amigo do Luis, um indígena local. Conversamos com ele sobre o tempo para ir até o Salto e logo ficou claro que voltaríamos já no escuro. A solução seria dormir por ali mesmo. Pensamos primeiro em acampar, mas mudamos de ideia quando o Luis ofereceu uma casa que ele tem para um dia virar uma pousada para dormirmos. Toda de pedra, mas ainda sem móveis. Ideal para um “acampamento interno”.

De canoa, a caminho do Salto Aponwao, na Gran Sabana, na Venezuela

De canoa, a caminho do Salto Aponwao, na Gran Sabana, na Venezuela


Caminhando na Gran Sabana, a caminho do Salto Aponwao, na Venezuela

Caminhando na Gran Sabana, a caminho do Salto Aponwao, na Venezuela


Foi ele também que nos levou até o Salto. Só se entra lá com guia, ainda mais que temos de atravessar um rio e, para isso, é preciso um barco. São dez minutos na canoa e outros 30 minutos caminhando em meio a relva da savana. Visual lindo, lembrando-me alguns trechos da parte alta da Serra da Canastra.

O Salto Aponwao, o maior da Gran Sabana, na Venezuela

O Salto Aponwao, o maior da Gran Sabana, na Venezuela


Admirando o Salto Aponwao, na Gran Sabana, na Venezuela

Admirando o Salto Aponwao, na Gran Sabana, na Venezuela


Mas a maior beleza estava mais adiante, no gigantesco Salto Aponwao. Trata-se de um rio bem caudaloso despencando mais de 100 metros num enorme vale. Cachoeira para ser fotografada e admirada. Nadar, nem pensar!

Caminhando nas vastidões da Gran Sabana, na Venezuela

Caminhando nas vastidões da Gran Sabana, na Venezuela


Fim de tarde na região do Salto Aponwao, na Gran Sabana, na Venezuela

Fim de tarde na região do Salto Aponwao, na Gran Sabana, na Venezuela


O caminho de volta foi ainda mais bonito, tanto na caminhada como na parte de barco. O motivo? A luz do fim de tarde que, com suas cores avermelhadas e douradas, torna tudo mais fotogênico.

Nossa casinha na aldeia perto do Salto Aponwao, na Grand Sabana, na Venezuela

Nossa casinha na aldeia perto do Salto Aponwao, na Grand Sabana, na Venezuela


Nosso 'acampamento' na casa do Luis, na Gran Sabana, na Venezuela

Nosso "acampamento" na casa do Luis, na Gran Sabana, na Venezuela


Voltamos para a aldeia e, antes de voltamos à nossa casinha de pedra, eis que um caminhão que aparece por lá quinzenalmente para fazer um comércio chegou. E ele tinha diesel! Conseguimos comprar um pouco, pelo menos para nos garantir até Santa Elena! Depois disso, fomos fazer nosso jantar no fogareiro na sala da nossa casa. Alimentado, eu fui dormir e a Ana, socializar com a família do Luis. O papo foi longe e nem vi direito a hora que ela voltou.

Caminhão atolado perto da Aldeia Aponwao, na Grand Sabana, na Venezuela

Caminhão atolado perto da Aldeia Aponwao, na Grand Sabana, na Venezuela


Hoje cedinho, ela me contou da longa conversa que teve por lá. A esposa do Luis gosta muito de Roraima, pois teve de levar uma prima até um hospital por lá e foram muito bem tratadas. O seu sonho é ir morar no Brasil. Mas não foi só pela conversa que a Ana chegou tão tarde. O tal caminhão que nos vendeu o diesel acabou atolando numa estrada aqui perto, quando levava uns moradores para umas casas distantes. A Ana acabou por leva-los na Fiona, mas o pobre caminhão continuou por lá. A Ana prometeu ajuda assim que o dia amanhecesse.

A Fiona guincha um caminhão atolado perto da Aldeia Aponwao, na Grand Sabana, na Venezuela

A Fiona guincha um caminhão atolado perto da Aldeia Aponwao, na Grand Sabana, na Venezuela


Assim, logo cedo, fiquei sabendo que já tínhamos programa: arrancar do barro um caminhão de nove toneladas. Para lá fomos nós, com cordas, pá, pranchas de alumínio e, claro, com o guincho da Fiona.

A prancha de aluminio nos ajuda a desatolar o caminhão perto da Aldeia Aponwao, na Grand Sabana, na Venezuela

A prancha de aluminio nos ajuda a desatolar o caminhão perto da Aldeia Aponwao, na Grand Sabana, na Venezuela


A Fiona guincha um caminhão atolado perto da Aldeia Aponwao, na Grand Sabana, na Venezuela

A Fiona guincha um caminhão atolado perto da Aldeia Aponwao, na Grand Sabana, na Venezuela


A roda traseira do caminhão estava completamente enterrada no barro. Não ia ser fácil! Pessoas empurrando não faziam nem cócegas. Tentar puxar com uma corda também não. Então, cava daqui, cava dali, levanta com o macaco, joga pedra embaixo, coloca as pranchas de alumínio, amarra o guincho e força total!

Controlando o motor do guincho da Fiona durante operação paa desatolar um caminhão, perto da Aldeia Aponwao, na Grand Sabana, na Venezuela

Controlando o motor do guincho da Fiona durante operação paa desatolar um caminhão, perto da Aldeia Aponwao, na Grand Sabana, na Venezuela


É claro que, quando o guincho funcionava, que era puxado era a Fiona e não o caminhã de 9 toneladas. Então, botamos umas pedras enormes para calçar as rodas da Fiona e, devagar, devagar, fomos tirando o bicho lá dentro.

Celebração após desatolarmos um caminhão perto da Aldeia Aponwao, na Grand Sabana, na Venezuela

Celebração após desatolarmos um caminhão perto da Aldeia Aponwao, na Grand Sabana, na Venezuela


Ao final, quase duas horas de trabalho, pés, mãos e roupas imundas, mas pudemos comemorar! A Fiona acaba de cumprir seu maior desafio até hoje: resgatar um caminhão carregado nove vezes mais pesado do que ela!

O Luis, nosso guia, e sua esposa Stefany, moradores da Aldeia Aponwao, na Grand Sabana, na Venezuela

O Luis, nosso guia, e sua esposa Stefany, moradores da Aldeia Aponwao, na Grand Sabana, na Venezuela


O Luis, nosso guia, e sua esposa Stefany, moradores da Aldeia Aponwao, na Grand Sabana, na Venezuela

O Luis, nosso guia, e sua esposa Stefany, moradores da Aldeia Aponwao, na Grand Sabana, na Venezuela


Depois, hora de despedir do Luis e da sua simpática esposa e seguirmos viagem. Cinco minutos na estrada de areia e água e cruzamos várias landrovers e toyotas em sentido contrário. Eram carros de agências de Santa Elena trazendo turistas para o Salto Aponwao. “Chegaram atrasadas para a brincadeira!”, foi o que a Fiona disse para elas, hehehe

Tours vindos de Santa Elena  se dirigem ao Salto Aponwao, na Grand Sabana, na Venezuela

Tours vindos de Santa Elena se dirigem ao Salto Aponwao, na Grand Sabana, na Venezuela

Venezuela, Gran Sabana, cachoeira

Veja todas as fotos do dia!

Não se acanhe, comente!

Post anterior Passando pelo centro mineiro de El Callao, a caminho da Gran Sabana, na Venezuela

Território do Ouro

Post seguinte Delicioso banho de cachoeira na Gran Sabana, na Venezuela

Gran Sabana: Coleção de Cachoeiras

Blog da Ana Em um mirante, admirando diversos tepuis, incluindo o Monte Roraima, na Gran Sabana, na Venezuela

Roteiro na Gran Sabana

Comentários (2)

Participe da nossa viagem, comente!
  • 22/10/2013 | 20:40 por marcio

    muito legal, uma aventura e tanto... Rodrigo, onde consigo pranchas de aluminio??

    Resposta:
    Olá Marcio

    Realmente, tem sido uma aventura e tanto, hehehe! A realização de um sonho!

    Então, as pranchas, acho que muitas lojas de produtos 4x4 podem oferecer. As nossas, compramos na excelente Armazem 4x4, uma das melhores do país. O site deles é http://www.armazem4x4.com.br/

    Um abs

  • 23/07/2013 | 13:13 por Marcelo Carneiro

    Heróico.

    Resposta:
    Oi Marcelo

    Viva a Fiona!!!

    Abs

Blog da Ana Blog da Rodrigo Vídeos Esportes Soy Loco A Viagem Parceiros Contato

2012. Todos os direitos reservados. Layout por Binworks. Desenvolvimento e manutenção do site por Race Internet