0 Valle del Elqui - Blog da Ana - 1000 dias

Valle del Elqui - Blog da Ana - 1000 dias

A viagem
  • Traduzir em português
  • Translate into English (automatic)
  • Traducir al español (automático)
  • Tradurre in italiano (automatico)
  • Traduire en français (automatique)
  • Übersetzen ins Deutsche (automatisch)
  • Hon'yaku ni nihongo (jidö)

lugares

tags

arqueologia cachoeira Caribe cidade histórica Estrada mar Mergulho Montanha parque nacional Praia Rio roteiro Trekking trilha

paises

Alaska Anguila Antígua E Barbuda Argentina Aruba Bahamas Barbados Belize Bermuda Bolívia Bonaire Brasil Canadá Chile Colômbia Costa Rica Cuba Curaçao Dominica El Salvador Equador Estados Unidos Galápagos Granada Groelândia Guadalupe Guatemala Guiana Guiana Francesa Haiti Hawaii Honduras Ilha De Pascoa Ilhas Caiman Ilhas Virgens Americanas Ilhas Virgens Britânicas Jamaica Martinica México Montserrat Nicarágua Panamá Paraguai Peru Porto Rico República Dominicana Saba Saint Barth Saint Kitts E Neves Saint Martin San Eustatius Santa Lúcia São Vicente E Granadinas Sint Maarten Suriname Trinidad e Tobago Turks e Caicos Venezuela

arquivo

SHUFFLE Há 1 ano: Há 2 anos:

Valle del Elqui

Chile, Valle del Elqui

Destilaria Capel, grande produtora de Pisco, no Valle del Elqui, no Chile

Destilaria Capel, grande produtora de Pisco, no Valle del Elqui, no Chile


Até agora no Chile havíamos encontrado apenas dois tipos de ambiente: desertos andinos e o litoral pacífico. O vento salgado que sopra do oceano não deixa as plantas se desenvolverem nas terras do lado de cá da Cordilheira e as propriedades do seu terreno são propícias principalmente para atividades de mineração. Cobre e carvão são as mais famosas delas, mas outra infinidade de elementos são encontrados nestas montanhas de origem vulcânica.

Represa no Valle del Elqui, no Chile

Represa no Valle del Elqui, no Chile


Os desertos andinos são maravilhosos, desertos como o Atacama despertam em nós um novo sentido observador, onde pensamos que a vida poderia não existir encontramos salinas repletas de flamingos, colônias de bactérias que colorem lagunas inteiras, gêiseres e fontes de águas termais incríveis. No pacífico as praias recortadas pelo maior oceano do mundo parece nos cobrar mais respeito, não apenas pelas frias correntes vindas da Antártida, mas por sua imponência e grandiosidade.

Produção de energia eólica na estrada entre La Serena e Valparaiso, no Chile

Produção de energia eólica na estrada entre La Serena e Valparaiso, no Chile


Quando chegamos em La Serena, porém, descobrimos que aqui existia uma terra verde e produtiva, o celeiro de frutas na região central do Chile, um jardim do éden em meio à tanto cinza. Lá se produz uma quantidade imensa de frutas, mas a principal delas é a uva, elemento essencial para a produção da tradicional bebida chilena, o pisco.

Um dos muitos parreirais no Valle del Elqui, no Chile

Um dos muitos parreirais no Valle del Elqui, no Chile


A cidade de Vicuña é a base para explorar o vale e está a apenas uma hora de La Serena, na zona da pré-cordilheira. Seguimos viagem hoje acompanhados de um amigo viajante que conhece essa região, Maxi é argentino e vive na província de San Juan. Desde pequeno ele vem com a sua família para as praias de La Serena cruzando o passo de Águas Negras, um dos muitos passos da Cordilheira dos Andes. Para eles o Pacífico está muito mais próximo que o Atlântico e nos bons tempos da economia argentina as casas de veraneio do lado chileno eram uma barganha. A viagem de 14 horas era um pouco cansativa, então Maxi, seu pai, mãe e 3 irmãos cruzavam rasgando a região do vale e ele nunca havia parado por aqui para visitar.

Com o Maxi, vistando a represa no Valle del Elqui, no Chile

Com o Maxi, vistando a represa no Valle del Elqui, no Chile


Subimos o vale e fizemos a nossa primeira parada no mirante do novo embalse, represa de água construída há uns 7 anos. O lago de águas verdes, no caminho do vento andino, é um dos melhores lugares na região para wind e o kite surf. O vento é tanto que na inauguração da represa foi instalado também um monumento que é, na realidade, um instrumento musical que assovia com o vento! Ali perto há também um observatório astronômico que pode ser visitado, nós pulamos e fomos direto ao que interessava, a pisqueria.

Visitando a destilaria capel, no Valle del Elqui, no Chile

Visitando a destilaria capel, no Valle del Elqui, no Chile


O Valle del Elqui é uma das principais regiões pisqueiras do Chile, casa para duas das maiores produtoras de pisco nacionais, a Mistral e a Capel. A Mistral é uma das maiores do país, uma holding que comprou diversas pisquerias artesanais, vinícolas, além de produzir a principal cerveja chilena, a Cristal. A origem da empresa foi em uma família proprietária de grandes minas de cobre e o seu dono é um dos homens mais ricos do Chile. A CAPEL, por outro lado, é uma cooperativa, a sigla responde à Cooperativa Agrícola Pisquera Elqui Ltda. Estes pequenos produtores se recusaram a entrar para o império da Mistral e se uniram para manter a tradição e a qualidade do seu produto. Quase quebrada no começo dos anos 2000 recebeu uma injeção de capital do governo, conseguiu se reerguer e desde 1953 é líder no mercado nacional e a maior concorrente da Mistral com uma gama de sucos, cervejas, vinhos e é claro, piscos.

Venda de Pisco na destilaria Capel, no Valle del Elqui, no Chile

Venda de Pisco na destilaria Capel, no Valle del Elqui, no Chile


A sua marca premium é o Alto del Carmen que provamos na degustação depois de uma visita guiada pela fábrica. O pisco é uma bebida destilada do vinho, traduzindo, para se obter o pisco é preciso primeiro produzir vinho e depois destilá-lo. As uvas preferidas para a produção de pisco são as brancas doces, a principal delas é a moscatel. Com maior quantidade de açúcar elas tem um alto teor alcoólico, resultando em piscos que, por regulamentação nacional, devem ter entre 40 e 50% de graduação álcoolica.

Destilaria Capel, grande produtora de Pisco, no Valle del Elqui, no Chile

Destilaria Capel, grande produtora de Pisco, no Valle del Elqui, no Chile


Muitos de vocês devem estar pensando, mas e o pisco não era peruano?! Sim e não! Esta é uma grande disputa entre os dois países, mas afinal o pisco é peruano ou chileno? Nossa simpática guia chilena não poderia ter sido mais política na sua resposta, esperta com a quantidade de turistas do vizinho do norte que já passaram por aqui. O nome pisco é peruano e isso é sabido e comprovado até pela existência da cidade de Pisco, que foi quem emprestou o nome à bebida que era produzida, envasada em barris e enviada aos diferentes portos registrada com o nome do seu porto de origem. Porém temos que lembrar que o norte do Chile um dia pertenceu ao Perú, mais um detalhe na história e na geografia que podem nos deixar confusos na determinação de onde se originou afinal, tal bebida.

Destilaria Capel, grande produtora de Pisco, no Valle del Elqui, no Chile

Destilaria Capel, grande produtora de Pisco, no Valle del Elqui, no Chile


Depois de uns shots de pisco e a aula sobre mais um dos ícones gastronômicos e culturais do Chile, fomos provar a tradicional culinária local no melhor estilo sustentável moderno. O restaurante de cozinhas solares aproveita os mais de 320 dias de sol por ano na região para cozinhar batatas, pães e empanas de chivos (bode), além de preparar duas opções de pratos: ensopados de frango ou de cabrito.

Chegando à restaurante com cozinhas solares, no Valle del Elqui, no Chile

Chegando à restaurante com cozinhas solares, no Valle del Elqui, no Chile


Uso do sol para cozinhae, no Valle del Elqui, no Chile

Uso do sol para cozinhae, no Valle del Elqui, no Chile


Nós não tivemos dúvida e provamos a especialidade local. O ensopado estava delicioso, mas confesso que a empanada me deixou com uma pulga atrás da orelha, um pouco forte para estômagos novatos nessa modalidade.

Empanada de chivo (bode) em restaurante no Valle del Elqui, no Chile

Empanada de chivo (bode) em restaurante no Valle del Elqui, no Chile


Com o Maxi, almoçando em restaurante de cozinha solar no Valle del Elqui, no Chile

Com o Maxi, almoçando em restaurante de cozinha solar no Valle del Elqui, no Chile


Fechamos aqui a nossa rápida visita ao Valle del Elqui que além de pisquerias e fazendas de frutas, no verão também tem balneários de rios como alternativa à fria água do Pacífico. Faltou também visitarmos a cervejaria artesanal, que produz cervejas adocicadas com leite de avelãs e também é muito bem recomendada. Mas ainda tínhamos mais 400km de estrada pela frente até o nosso próximo destino no litoral chileno, Valparaíso e Viña del Mar. A despedida do Maxi foi um breve até logo, já que em duas semanas o encontraremos novamente em San Juan com sua esposa viajante Mari. Tomamos um bom chimarrão, fazendo a digestão do chivo caminhando à beira mar, enquanto o Rodrigo se recuperava com uma siesta antes de pegarmos a estrada. É bom ele descansar mesmo, afinal a cidade das artes e da boemia nos espera!

Despedida do Maxi em La Serena, no Chile

Despedida do Maxi em La Serena, no Chile

Chile, Valle del Elqui, Enoturismo, Pisco, Vale, Vale Central

Veja mais posts sobre Enoturismo

Veja todas as fotos do dia!

Não nos deixe falando sozinhos, comente!

Post anterior Caminhando na praia de La Serena, no Chile

La Serena

Post seguinte Muita arte nas ruas de Valparaiso, no Chile

Valparaíso e Viña del Mar

Blog do Rodrigo Represa no Valle del Elqui, no Chile

A Arte, a Magia e a Culinária do Valle del Elqui

Comentários (1)

Participe da nossa viagem, comente!
  • 04/09/2016 | 00:41 por Renan

    O Valle é incrível, e poucos brasileiros vao lá.
    Parabéns pelo blog e pela viagem!!

Blog da Ana Blog da Rodrigo Vídeos Esportes Soy Loco A Viagem Parceiros Contato

2012. Todos os direitos reservados. Layout por Binworks. Desenvolvimento e manutenção do site por Race Internet