0 Mamanguá, o fiorde brasileiro - Blog da Ana - 1000 dias

Mamanguá, o fiorde brasileiro - Blog da Ana - 1000 dias

A viagem
  • Traduzir em português
  • Translate into English (automatic)
  • Traducir al español (automático)
  • Tradurre in italiano (automatico)
  • Traduire en français (automatique)
  • Übersetzen ins Deutsche (automatisch)
  • Hon'yaku ni nihongo (jidö)

lugares

tags

arqueologia cachoeira Caribe cidade histórica Estrada mar Mergulho Montanha parque nacional Praia Rio roteiro Trekking trilha

paises

Alaska Anguila Antígua E Barbuda Argentina Aruba Bahamas Barbados Belize Bermuda Bolívia Bonaire Brasil Canadá Chile Colômbia Costa Rica Cuba Curaçao Dominica El Salvador Equador Estados Unidos Galápagos Granada Groelândia Guadalupe Guatemala Guiana Guiana Francesa Haiti Hawaii Honduras Ilha De Pascoa Ilhas Caiman Ilhas Virgens Americanas Ilhas Virgens Britânicas Jamaica Martinica México Montserrat Nicarágua Panamá Paraguai Peru Porto Rico República Dominicana Saba Saint Barth Saint Kitts E Neves Saint Martin San Eustatius Santa Lúcia São Vicente E Granadinas Sint Maarten Suriname Trinidad e Tobago Turks e Caicos Venezuela

arquivo

SHUFFLE Há 1 ano: Há 2 anos:

Mamanguá, o fiorde brasileiro

Brasil, Rio De Janeiro, Parati

Percorrendo o Saco do Mamanguá, região de Parati - RJ

Percorrendo o Saco do Mamanguá, região de Parati - RJ


Há muitos anos eu tenho vontade de conhecer os fiordes, uma formação geológica muito comum na Noruega e em parte do Chile. São entradas de mar imensas, de 3, 4 km ou mais, por entre montanhas e paredes rochosas. Até alguns anos atrás eu não sabia que o Brasil possuía um, foi conversando com a minha cunhada que descobrimos e nos apaixonamos. Lembro quando eu e Rodrigo viajamos de avião sobre o litoral em direção à Recife e ficamos brincando de localizar as praias do litoral sudeste. Quando sobrevoamos o Saco do Mamanguá foi fácil reconhecê-lo e lá de cima falamos “nos aguarde”, pois logo chegaremos aí. Chegou a hora, depois de um dia e meio de espera, agora temos as condições favoráveis de vento e o barco disponível.

Dia nublado no Saco do Mamanguá, região de Parati - RJ

Dia nublado no Saco do Mamanguá, região de Parati - RJ


Saímos de Paraty-Mirim em direção ao Mamanguá. Reinaldo foi o nosso barqueiro, caiçara de 40 anos nascido em Praia Grande. Sua família vive na região há gerações e ele foi ao Mamanguá pela primeira vez quando tinha apenas 12 anos. Nesta época o fiorde possuía somente alguns moradores caiçaras. Hoje praticamente todo o Mamanguá está tomado por construções. São comunidades caiçaras em contraste com mansões imensas em praias particulares pertencentes a milionários paulistas e cariocas. Eu confesso que fiquei surpresa, pois achava que seria um lugar mais desabitado, uma vez que o acesso se dá somente por barco ou trilhas longas e íngremes.

Percorrendo a região de mangue do Saco do Mamanguá, região de Parati - RJ

Percorrendo a região de mangue do Saco do Mamanguá, região de Parati - RJ


Indo mais longe, quando o mar encontra as montanhas ao fundo, chegamos ao Saco do Mamanguá propriamente dito, uma área de reserva ambiental. Nesta área a fiscalização é mais intensa e as únicas construções que encontramos são as casas da aldeia Guarani. A aldeia e uma pequena cachoeira ficam quase no início de um canal formado no manguezal e mais 15 minutos de caminhada mata adentro.

'Mulatas', pequenos carangueijos no Saco do Mamanguá, região de Parati - RJ

"Mulatas", pequenos carangueijos no Saco do Mamanguá, região de Parati - RJ


Fomos até lá conhecer a aldeia, mas o Roque, chefe da tribo não estava presente, demos uma olhada distante e conversamos com um deles rapidamente. Até onde chegamos vivem três famílias em casas de pau-a-pique, algumas de tijolo e telha e todos os aparatos da vida moderna. Ali próximo vivem 50 guaranis que continuam utilizando a língua guarani entre eles, embora quase todos falem português. A FUNAI presta assistência para educação, saúde e inclusive financeira para a população indígena, recebem uma espécie de bolsa família que varia conforme a quantidade de filhos. Retornamos pela trilha e chegamos a um delicioso poço com uma pequena cachoeira e uma árvore fazendo um cenário ainda mais bonito.

Cachoeira e poço no Saco do Mamanguá, região de Parati - RJ

Cachoeira e poço no Saco do Mamanguá, região de Parati - RJ


Este lugar é realmente maravilhoso, faltou dizer apenas que vimos tudo isso sem um raio de sol, o que apenas abrandou a sua beleza. Só imaginem com sol como seria... Sem dúvida um pedaço de paraíso na terra.

'Arvorismo' na cachoeira do Saco do Mamanguá, região de Parati - RJ

"Arvorismo" na cachoeira do Saco do Mamanguá, região de Parati - RJ


Voltamos à Paraty-Mirim e conhecemos Jorge, viajante que vive em sua van adaptada e está na estrada há pelo menos 7 anos. Um caiçara-argentino, como ele mesmo se identifica, viajou toda a América do Sul e se apaixonou por Trindade, praia próxima à Paraty. Acabou ficando por ali e hoje está vivendo em Paraty-Mirim, decidindo qual será sua próxima empreitada, Alaska ou uma nova volta à América do Sul? “O problema é que sou apaixonado pelo nosso país. Digo nosso, pois o Brasil é o meu país por opção.” Eu não preciso ir mais longe para dizer que o entendo muito bem.

Com o Jorge e sua 'casa', que viajaram por toda a América do Sul, em Parati Mirim - RJ

Com o Jorge e sua "casa", que viajaram por toda a América do Sul, em Parati Mirim - RJ


À tarde tivemos que tomar a triste decisão de cortar do nosso roteiro o Pouso da Cajaíba. Tentamos por 2 dias encontrar um barco que pudesse nos levar até lá por um preço razoável, mas só encontramos valores acima de 150,00 apenas para ida! Esta é uma das poucas desvantagens que temos numa viagem como esta. Provavelmente em um final de semana encontraríamos pessoas para dividir o barco conosco. Seguimos então para Angra dos Reis, já nos preparando para pegar o tempo ruim que está chegando ao litoral sul carioca, em Ilha Grande.

A nossa usina nuclear, em Angra do Reis - RJ

A nossa usina nuclear, em Angra do Reis - RJ

Brasil, Rio De Janeiro, Parati, Praia, mar, Paraty, Mamanguá, Fiorde, Aldeia Indígena

Veja todas as fotos do dia!

Gostou? Comente! Não gostou? Critique!

Post anterior Fotografando Parati - RJ

Coisas da Vida

Post seguinte Praia de Palmas, no caminho para Lopes Mendes, na Ilha Grande - RJ

Trilhas de Ilha Grande

Blog do Rodrigo Cachoeira e poço no Saco do Mamanguá, região de Parati - RJ

No Saco do Mamanguá

Comentários (1)

Participe da nossa viagem, comente!
  • 17/09/2010 | 22:22 por adriana

    KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK!!!!!!!!!!!!!!!!
    Ana, cê quase me matou de rir com seu sonho maluco, meu, vamos combinar que você "pirou o côco", hein??!!!
    Grande beijo procês!!

    Resposta:
    Nem fale tia! Deixei passar tantos sonhos malucos, acho que vou começar a colocar todos aqui! hahaha! bjooos

Blog da Ana Blog da Rodrigo Vídeos Esportes Soy Loco A Viagem Parceiros Contato

2012. Todos os direitos reservados. Layout por Binworks. Desenvolvimento e manutenção do site por Race Internet