0 Estrada fluvial - Blog da Ana - 1000 dias

Estrada fluvial - Blog da Ana - 1000 dias

A viagem
  • Traduzir em português
  • Translate into English (automatic)
  • Traducir al español (automático)
  • Tradurre in italiano (automatico)
  • Traduire en français (automatique)
  • Übersetzen ins Deutsche (automatisch)
  • Hon'yaku ni nihongo (jidö)

lugares

tags

arqueologia cachoeira Caribe cidade histórica Estrada mar Mergulho Montanha parque nacional Praia Rio roteiro Trekking trilha

paises

Alaska Anguila Antígua E Barbuda Argentina Aruba Bahamas Barbados Belize Bermuda Bolívia Bonaire Brasil Canadá Chile Colômbia Costa Rica Cuba Curaçao Dominica El Salvador Equador Estados Unidos Galápagos Granada Groelândia Guadalupe Guatemala Guiana Guiana Francesa Haiti Hawaii Honduras Ilha De Pascoa Ilhas Caiman Ilhas Virgens Americanas Ilhas Virgens Britânicas Jamaica Martinica México Montserrat Nicarágua Panamá Paraguai Peru Porto Rico República Dominicana Saba Saint Barth Saint Kitts E Neves Saint Martin San Eustatius Santa Lúcia São Vicente E Granadinas Sint Maarten Suriname Trinidad e Tobago Turks e Caicos Venezuela

arquivo

SHUFFLE Há 1 ano: Há 2 anos:

Estrada fluvial

Brasil, Amazonas, Manaus

O 'encontro das águas', ponto de encontro entre o Rio Negro e o Rio Solimões, formando o Rio Amazonas

O "encontro das águas", ponto de encontro entre o Rio Negro e o Rio Solimões, formando o Rio Amazonas


O embarque no caótico porto de passageiros nos prepara para o que pode vir a ser a viagem. Milhares de pessoas carregando e descarregando os barcos, vendendo todos os tipos de bugigangas, relógios, celulares, óculos, redes, guarda-chuvas e outras quinquilharias made in China. As barracas no píer flutuante por sua vez vendem o lanche ou o almoço dos passageiros, dos corajosos, obviamente.

Ana filmando o movimento de embarque no porto de Manaus - AM

Ana filmando o movimento de embarque no porto de Manaus - AM


Encontramos a Fiona, descarregamos nossas mochilas e voltamos à feira para comprar víveres para as próximas 30 horas de viagem. A saída do barco atrasou, uma hora e meia depois do previsto estávamos partindo em direção à Santarém.

Navegando no 'encontro das águas', ponto de encontro entre o Rio Negro e o Rio Solimões, formando o Rio Amazonas

Navegando no "encontro das águas", ponto de encontro entre o Rio Negro e o Rio Solimões, formando o Rio Amazonas


Maior rodovia do estado, o Rio Amazonas tem um papel fundamental na vida da região. Milhares de embarcações sobem e descem o rio transportando suprimentos, mercadorias e passageiros de comunidade em comunidade. Em uma área em que a construção de estradas é uma tarefa praticamente impossível, senão pelas florestas e condições climáticas, pela liberação da licença ambiental.

Barco deixa o  porto de Manaus - AM carregado de passageiros

Barco deixa o porto de Manaus - AM carregado de passageiros


O Rio Amazonas se forma do encontro das águas brancas do Rio Solimões e escuras, do Rio Negro. A sua diferença de cor se deve à sua origem. As águas do Solimões têm origem na Cordilheira dos Andes, águas de degelo em solo de formação geológica mais recente e que por isso desce mais barrenta, cor de café com leite. Já as águas do Rio Negro correm por uma região de solo mais antigo, as florestas dominam a área e em contato com a água liberam nutrientes, participando desta coloração escura, parecida com chá mate. Suas águas não se misturam imediatamente, a diferença de temperatura e densidade faz com que elas corram paralelas por algum tempo, sendo fácil de distingui-las pela cor.

Encontro das águas escuras do Rio Negro com as águas claras do Rio Solimões

Encontro das águas escuras do Rio Negro com as águas claras do Rio Solimões


O Encontro das Águas é uma das principais atrações em Manaus, não apenas pela beleza do cenário, mas por estarem formando o maior rio do mundo, são mais de 300 milhões de litros de água despejadas no Oceano Atlântico por segundo.

Navegando pelo rio Amazonas

Navegando pelo rio Amazonas


Outra curiosidade é que o Rio Amazonas nem sempre correu em direção ao Atlântico. Há aproximadamente, 150 milhões de anos, quando os continentes ainda estavam se separando e a cordilheira dos Andes ainda nem havia se formado, o rio corria em direção ao Oceano Pacífico. Prova disso é a similaridade de algumas espécies de arraias encontradas no rio, aparentadas com as encontradas naqueles mares. O solo encontrado na bacia amazônica também contém propriedades que comprovam esta teoria. Mais tarde a cordilheira começou a subir e aos poucos o rio começou a mudar o seu curso. Durante um longo período ele se tornou um imenso mar de água doce, dentro do continente, uma vez que uma cadeia de montanhas próxima a Parintins bloqueava o seu curso. Com o passar dos anos a força da água cavou a sua passagem e abriu caminho até o Oceano Atlântico, como conhecemos hoje.

Nosso barco, Luiz Afonso, no  porto de Manaus - AM, antes da viagem à Santarém

Nosso barco, Luiz Afonso, no porto de Manaus - AM, antes da viagem à Santarém


A viagem no Luis Afonso é super tranquila, diferente do que estávamos esperando. A imagem que eu tinha era daquele povaréu bebendo e dançando aquelas músicas bregas em altíssimo volume. Nada disso. Nosso barco foi perfeito. O primeiro andar é o piso de carga e mercadorias. Como não estava cheio então algumas poucas pessoas amarraram suas redes ao lado da Fiona. No segundo andar, além de banheiros, centenas de redes amontoadas formam uma comunidade colorida e preguiçosa. A maioria das pessoas ali se instala e só levanta para ir ao banheiro, se revezando entre os amigos e conhecidos para cuidar de seus pertences.

Redes ocupam o convés superior do nosso barco de Manaus à Santarém

Redes ocupam o convés superior do nosso barco de Manaus à Santarém


O terceiro e último andar tem uma área aberta, com um somzinho comedido, uma área de redes e o bar com uma televisão 50 polegadas. Tem até uma tecnologia avançadíssima para movimentar a antena em busca de sinal, como o barco está em movimento, uma engenhoca parecida com um periscópio de submarinos faz o trabalho.

O canto mais interessante do nosso barco para Santarém

O canto mais interessante do nosso barco para Santarém


Hoje saímos de Manaus, avistamos as comunidades que seguem até Itacoatiara, última cidade que possui acesso pela estrada. Foi a única parada para carga e descarga e seguimos viagem rio afora. O pôr-do-sol rosado sob as nuvens de chuva foi sensacional!

Fim de tarde em dia nublado no Rio Amazonas, à caminho do Pará

Fim de tarde em dia nublado no Rio Amazonas, à caminho do Pará


Mais tarde a chuva venceu e a noite foi agitada para os tripulantes, prendendo as lonas de proteção que haviam soltado com o vento. Nós dormimos dentro da Fiona mesmo, uma noite apenas, preferimos não comprar redes. Noite mal dormida, muito quente, mesmo com as janelas abertas. Daqui a pouco o sol irá nascer, boa noite.

Fiona no convés inferior do barco Luiz Afonso, à caminho de Santarém - PA

Fiona no convés inferior do barco Luiz Afonso, à caminho de Santarém - PA

Brasil, Amazonas, Manaus, Rio Amazonas, Rio Negro, Encontro das Águas, Luiz Afonso, Rio Solimões

Veja todas as fotos do dia!

Não nos deixe falando sozinhos, comente!

Post anterior Área de passageiros e usuários, no porto flutuante de Manaus - AM

Até logo Fiona!

Post seguinte Fim de tarde no Rio Amazonas, já bem próximo de Santarém - PA

Já?

Blog do Rodrigo Navegando no 'encontro das águas', ponto de encontro entre o Rio Negro e o Rio Solimões, formando o Rio Amazonas

Navegando pelo Amazonas

Comentários (2)

Participe da nossa viagem, comente!
  • 23/10/2012 | 12:16 por Veronica Lessa de Carvalho

    Um estado maravilhoso Amazonas <3

    Resposta:
    Maravilhoso e imenso! Ainda voltaremos! =)

  • 06/05/2011 | 21:09 por clenilça alves da silva(cleo)

    sensacional a aula de geografia !!!!

    Resposta:
    o bom é que aprendemos no caminho, todos juntos! beijos!

Blog da Ana Blog da Rodrigo Vídeos Esportes Soy Loco A Viagem Parceiros Contato

2012. Todos os direitos reservados. Layout por Binworks. Desenvolvimento e manutenção do site por Race Internet